Marcelo Katsuki

Comes e Bebes

 -

Formado em arquitetura pela FAU-USP, Marcelo Katsuki é cozinheiro formado pela Escola de Gastronomia João Dória Jr e sommelier pela ABS (Associação Brasileira de Sommeliers).

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

O primeiro restaurante peruano do país

Por Marcelo Katsuki

 Camarão e vieira empanados no coco com creme de mandioca e alho poró.

Muito antes dessa moda da cozinha do Peru, Maceió já tinha um representante da cozinha daquele país que fazia o maior sucesso. O Wanchako foi inaugurado em 1996 pela chef Simone Bert, que casou-se com um peruano e foi para Lima onde aprendeu a cozinhar  com sua sogra e uma tia. Assim que voltou para Maceió, pediu demissão e abraçou a nova carreira de cozinheira.

>> Clique aqui e conheça a nova agenda de eventos do blog!

 

Nosso almoço de despedida na cidade começou com uma criação inédita da chef: Simone empanou um camarão e uma vieira em flocos de coco mas usando Pisco, uma bebida típica do Peru.

Na sequência, dividimos um Festival de Cebiches (R$ 70), um prato enorme com ceviches variados com camarões, pescados e vieiras em diferentes maneiras de preparação.

 

De principal, pedi um Pescado Nikkei (R$ 58): peixe preparado no forno envolto em acelga com molho de shitake e camarão. Um pouco picante, um pouco adocicado, uma beleza.

 

De sobremesa, o tradicional Suspiro Limeño (R$ 20), um delicioso creme feito com leite e gemas coberto com merengue. Tão simples, tão bom.

 

O Wanchako tem vários ambientes ricamente decorados com motivos étnicos, mas esse bar – El Brujo, uma extensão do restaurante – eu ainda não conhecia.

 

Aqui, a chef Simone Bert na entrada do restaurante. Uma figura.

 

Wanchakomapinha aqui

Rua São Francisco de Assis, 93 –  Jatiúca – Maceió (AL) – Tel.: (82) 3377-6024 / 3311-9750

Blogs da Folha