Tem marroquino no centrão

Cuscuz marroquino com carne (R$ 15): molho à parte e tem versão veggie com 7 legumes

Downtown gourmet – vocês tão achando que a Cracoland é fraca, é? Se liga na novidade: depois do Riconcito (peruano da Aurora), do Biyou-Z (afro da Barão de Limeira) e do Habib Ali (árabe da Rio Branco), o último grito gastronômico local é o marroquino da rua Guaianazes, o Marrakesh! Chora com o nosso bairro multicultural!

Aberto há três meses, o pequeno restaurante tem apenas 10 lugares e serve pratos como o cuscuz e a sopa marroquina. Mas há opções como espaguete e bife acebolado, para quem não faz a linha étnica. Dei um pulo lá com o Junior na semana passada e olha o que comemos.

 

Harira (R$ 6): sopa marroquina com caldo espesso de legumes e macarrão.

 

Arroz marroquino (R$ 10) com  legumes e especiarias e dois pedaços de frango ensopado.

 

Quem cuida da cozinha é a Saba (pelo menos foi isso que entendi). O caixa mal entende o que a gente fala, e dá-lhe linguagem corporal para trocar umas ideias! Apelei até pra lista telefônica!

 

Chabakya (R$ 3), massinha frita e caramelada, coberta com gergelim. Crocante e com um leve gostinho de canela.

 

Baghrir (R$ 3), uma panqueca fofa e quentinha, toda aerada, servida com amêndoas.

 

Vá com tempo: no dia em que eu fui, a cozinheira fazia também às vezes de garçonete. E o caixa quando passou pelo salão, ouviu de um cliente: “Posso pedir um suco pra você?” ao que respondeu agradecido: “Não, obrigado”, achando que o suco era para ele. Pelo menos ele é educado, kkk!

 

 

Marrakech Restaurantemapinha aqui
Rua Guaianazes, 65 – Centro – Tel.: 0/xx/11/3331-6139
Aberto diariamente até as 22h. Fecha no domingo

 

Para os adictos da comida étnica!

 

Comentários

  1. Essa do suco foi boa…
    Só faltava ele responder:
    “Não, prefiro uma cerveja.”

    Unabraço!

  2. Bom dia, Marcelo.

    Sempre que podemos, minha esposa e eu visitamos algum restaurante de culinária estrangeira.
    Nossa última aventura foi a um restaurante de comida polonesa e do leste europeu em Pinheiros.
    Este marroquino acaba de entrar na lista de “próximas vítimas”! :o)

    Abraços,
    – Alexandre

    1. Oi Alexandre. Qual foi esse restaurante polonês? E foi bom? Abs!

    1. Tu acha? Esse foi dica do Mobi, um comilão que trabalha aqui na firma!

  3. Salve, Kats.
    Faz tempo que não dou as caras aqui nos comments, mas sempre leio seu blog.
    Eita! BBG étnico! Atualmente, trabalho no início da Consolação, então está mais fácil pra seguir suas dicas. Fui naquele nordestino da Nova Barão, só que na filial da galeria Sete de Abril. Gostei bastante. Esse árabe está devidamente anotado. Grande Abraço.

    1. Aliás, todos estão devidamente anotados. Só não sei por qual começar.

  4. Fala, Marcelo.
    Provei uma variação do cuscuz marroquino, com peixe (robalo), camarões e os legumes. Como manda a receita, o cuscuz devidamente hidratado no caldo do cozimento desses elementos…muito bom! Recomendo! A sopa me parece interessante também…vou experimentar.
    Abs.

  5. Oi Marcelo!

    Cara,adoro seu blog, g e n i a l ! Sempre estou ligado nos seus posts,realmente encantado com sua simplicidade e bom gosto. Valeu!

  6. tenho um amigo marroquino aqui e ja fui jantar na casa dele onde comi o couzcouz marroquino com passas,castanhas etc..delicia..dai apresentei o cuzcuz caipira paulista pra ele,adivinha? adorou!! ahaauah adoro esta troca intercambio gastronomico..

  7. Humm deu água na boca

    Outra coisa legal da matéria, na ultima foto mostra o cara ao lado da van babando nas moças de saia

    kkkkk

    Abraços Kats

    1. Tá prometido! Vamos organizar a caravana com Princess Malta!

  8. Como sempre suas matérias são muito interessantes, mas essa está especial pela forma original e simpática q foi feita. Mostra q simplicidade pode ser muito bom…

  9. Olá,

    Gosto muito das suas matérias.
    Nunca fui em restaurante marroquino; agora esse harira parece o nosso raiscaré.

Comments are closed.