Marcelo Katsuki

Comes e Bebes

 -

Formado em arquitetura pela FAU-USP, Marcelo Katsuki é cozinheiro formado pela Escola de Gastronomia João Dória Jr e sommelier pela ABS (Associação Brasileira de Sommeliers).

Perfil completo

Publicidade

Almoço no Theatro Municipal

Por Marcelo Katsuki

Atravessamos o centro novo para almoçar no Café do Theatro Municipal no dia mais quente do ano, mas valeu a pena. O restaurante, com entrada pelo lado direito do teatro, serve café da manhã à la carte mas é famoso pelo bufê do almoço (R$ 40). E lá dentro é fresquinho, arejado, pé direito enorme, uma beleza!

 

O bufê fica localizado num canto do salão. Nas travessas, saladas variadas com muitas folhas e alguns itens como o rolinho primavera de manga com pimenta, palmito pupunha e uma terrine de ricota bem temperada com calda de kinkan de babar.

 

Na parte quente, bife à milanesa, batatinha frita, arroz chaufa com camarões, suflê, frango ensopado com geleia de tomate, linguado e claro, arroz e feijão. O bufê ficou a cargo da chef Sandra Valéria Silva do Bistrô da Sara.

 

Mas a gente foi até lá para comer os pratos à la carte, apenas três, mas bem servidos, gostosos e um pouco mais baratos que o bufê. Repare na fartura desse Medalhão de filé ao molho de mostarda e mel, arroz ao funghi e tomates frescos (R$ 30).

 

Para quem come pouco como eu, a dica é o Risoto de arroz negro, linguado em crosta de limão e pimenta e salada com banana e castanhas (R$ 32). Não que a porção seja pequena, pois é bem servida, mas o linguado é assado e vem com uma crosta leve e refrescante de limão. Uma delícia que não pesa.

 

Pausa para apreciar a arquitetura. Eu adoro esse espelho multifacetado do bar, os detalhes das colunas, o piso hidráulico com desenhos em azul. É inspirador.

 

De sobremesa, só vi passando Taças Santas (R$ 11) pra lá e pra cá. Era iogurte batido com caldas de amora e maracujá, mas o garçom indicou a Torta de maçã cremosa com chantilly (R$ 11), uma torta diferente e eu acatei. A base bem crocante de biscoitos recebe as maçãs assadas e sobre elas uma densa camada de creme, bem coisa de vó. Muito gostosa, mas dá para ouvir a Sinfonia da Sílfide Gorda ecoando pelos corredores do Municipal.

 

Pros menos pecadores, Brigadeiro de colher (R$ 6). Ou brigadeiro de pá, como me disse o Thiago, pelo tamanho do doce. É muito chocolate!

 

Detalhe da pintura do teto

O Café funciona de segunda a sábado, no café da manhã e no almoço. Às vezes lota, mas olha que style essa sala de espera! Há peças meio brutalistas criadas pelos irmãos Campana que combinam perfeitamente com o estilo clássico do teatro. Para Falstaff nenhum botar defeito.

 

Café do Theatro Municipalmapinha aqui
Pça. Ramos de Azevedo, s/nº – Centro – Tel.: 0/xx/11/3331-1874

Blogs da Folha