Saudosa Maloca – Belém

Por Marcelo Katsuki

Quando me indicaram o restaurante localizado do outro lado do rio Guamá, em Belém, torci o nariz por ser um lugar famoso e cheio de turistas. Quando a gente viaja é assim: somos tomados pela esquizofrenia de achar que todo mundo é turista, menos a gente, afinal somos tão descolados, não é mesmo? Tudo bem que já sou quase um cidadão belenense, mas calma aí. Superei a embófia, liguei pro povo e rumamos para o porto.

 

Localizado na ilha do Combu, bem em frente à capital paraense, a Saudosa Maloca é um bar montado numa palafita com vários ambientes posicionado bem na entrada de um furo (canal que corta a ilha). Tem gente que chama de Saldosa, mas na placa original percebe-se que o ‘L’ é apenas um “U” mal desenhado, rs. Reparem no outro ‘L’ da palavra ‘maloca’.


O acesso é fácil, feito com barquinhos saindo da Praça Princesa Isabel, no Condor. Você chega no porto e pega a primeira embarcação que sair para a ilha. Ops, não é essa Arca de Noé, gente!

 

O trajeto é feito por esses barquinhos típicos da região, famosos pelas miniaturas reproduzidas em miriti, e partem a todo momento. A passagem custa 3 reais e o trajeto de quase 15 minutos já é um super passeio.

 

Chegamos. Além da posição privilegiada, o bar tem vários ambientes com mesinhas nos deques.

 

O bacana é que a construção se integra perfeitamente à natureza. Quem preferir terra firme pode ficar nas mesinhas sob as árvores. Tem até um parquinho para as crianças.

 

As passarelas ligam os deques como esse do fundo, usado para tomar uma ducha e mergulhar no rio.

 

Mas o bom mesmo é se aventurar pela mata. Adentrando pouco metros, demos de cara com essa árvore gigantesca. A base tinha mais de 10 metros de diâmetro, dá para abrigar um monte de gnomos. Magic

 

Ah, sim, as comidas. O povo pediu caranguejo para ficar martelando. Como sou preguiçoso, pedi logo mandioca frita e uma cerveja. Chegou um isopor cheinho, rs!

 

Almoçamos um peixão assado na brasa (acho que era filhote) com arroz, vinagrete e a gostosa farinha de suruí na manteiga.

 

De sobremesa, o onipresente açaí, extraído no local. Como chega em temperatura ambiente, pedi gelo para dar aquele brilho. E comi com a tapioca, que de tão leve mais parece nuvem.

 

Recarregamos as baterias com boa comida, brejas, risadas e muito açaí –acho que dava até para voltar nadando para Belém– e nem sinal da pretensa muvuca. Viva a falta de soberba.


Saudosa Maloca mapinha aqui
Ilha do Combu, s/nº – Belém (PA)
Telefone: (91) 9982-3396