Comendo no centrão: Passpatur

Por Marcelo Katsuki

Olha o marmorizado dessa carne! Não, não se trata de wagyu: é apenas o queijo derretido escorrendo pelo molho de tomate, que de tão quente faz o garçom carregar o prato em duas baixelas para não queimar a mão. Me divirto.

 

Estou almoçando no Passpatur, um restaurante que vi outro dia passando apressado pela rua dos Timbiras, saindo da Praça da República. Tem uma fachada simpática. E eu adoro entrar nesses restaurantes velhos, com placas pintadas anunciando pratos a preços populares mas que revelam algum passado notório. Seja pelo estilo do toldo da fachada, seja pela gravata borboleta dos garçons; há uma certa nostalgia no ar. Acho graça.

 

E como resistir a um Bife à milanesa com arroz, feijão e maionese (ou fritas) por 15 realidades? A fritura é sequinha e o arroz, caseirinho, nada daquele arroz parboilizado, que só é bom pra gente fazer dieta, já que o gosto e o cheiro tiram qualquer apetite.

 

Dentre os ‘Pratos do dia’, um Filé mignon à parmigiana (R$ 20) com arroz e fritas (um pouco murchas, é verdade) muito bem servido e cortado na ponta da… colher pelo aplicado garçom.

 

Aqui, a versão com filé de frango (R$ 18), servida com a mesma pompa e a irrepreensível técnica das duas colheres em uma mão só.

 

Finalizando a refeição, um prosaico Pudim de leite (R$ 5) de massa firme e pouco açúcar, que tem sua doçura revelada na calda de caramelo. E vejam só, com furinhos por fora e liso por dentro – quem disse que não dá para agradar a gregos e troianos?

 

 

Restaurante Passpaturmapinha aqui
Rua dos Timbiras, 643 – Tel.: 0/xx/11/3221-7194 – República