Festival promove Foz do Iguaçu através da gastronomia

Por Marcelo Katsuki

Na semana passada participei do primeiro Festival Foz Gastronômico, no Belmond Hotel das Cataratas. Foram dois dias intensos de aulas, workshops e degustações, sempre finalizados com jantares especiais.

O evento é muito bacana. O preço acessível permitiu que muitos moradores de Foz pudessem assistir às aulas de chefs renomados com temas realmente interessantes. No primeiro dia foram quatro aulas seguidas de degustação e o pacote completo custava R$ 145 por pessoa.

E no meio disso tudo ainda tinha o belo visual das cataratas em frente às salas de aula. Impossível resistir a um passeio pelo parque —coisa que só consegui fazer no final do segundo dia e que foi inesquecível. Foz do Iguaçu surpreende.

 

A fachada do histórico hotel localizado dentro do Parque Nacional do Iguaçu, onde aconteceram as aulas, workshops e jantares.

 

Aula de coquetéis com a bartender Jéssica Sanchez: melhor maneira de começar o dia! Ela ensinou alguns drinques autorais e outros clássicos, sempre com dicas.

 

Fiz uma degustação onde provei uns 10 chocolates da Aquim que melhoraram a minha percepção sobre o produto. Eu, que nunca fui muito fã de chocolate amargo, me amarrei no de 85% de cacau, quem diria!

 

Essas duas figuras foram falar sobre vinhos chilenos e vou te contar, que aula! Paulo Nicolay e Marcio Moualla: aprendi em uma hora coisas que nunca tinha ouvido falar em anos de palestras e visitas a vinícolas.  O Márcio sabe tudo sobre vinho –e não apenas vinhos chilenos.

 

Provei o queijo do Serro, o primeiro a ser produzido feito no Brasil (artesanalmente) e me encantei. A degustação de queijos brasileiros da Produtos D.O.C. é didática e deliciosa. Você descobre que temos ótimos queijos feitos aqui e que eles têm características muito peculiares.

 

Hora do almoço na gostosa varanda do hotel. O festival promovia uma fusão de culturas com dois menus completos, um feito por um chef brasileiro e outro por um chef peruano.

 

O menu do peruano Jean-Paul Barbier começava com um genial Tiradito de atum com pimenta amarela e cinza de abacate. O menu do chef Pedro Siqueira trazia um delicioso Cogumelo na grelha com ovo no ninho de pupunha, batatas crocantes e pó de carvão vegetal. Nos principais, Jean-Paul preparou um Lomo Anticuchero com creme de milho enquanto Pedro fez um Peixe grelhado com purê, talos assados e chips de raiz.

 

A sobremesa do chef peruano foi esse Cannoli de lúcuma com terra de cacau e sorvete de chocolate cusquenho.

 

Ao final do dia acontece um coquetel no jardim do hotel, seguido do jantar harmonizado com menu de oito tempos preparado pelos chefs que participam do evento.

 

O primeiro amuse bouche: Vieira com trufa e picles de rabanete do chef Kazuo Harada, do restaurante Mee (RJ).

 

O chef Benoit Vidal preparou Lombo de vitela com jus infusionado com café e avelãs. Foram servidos ainda mais seis pratos como ceviche, trio de dim sum, bochecha braseada e sobremesa.

 

No segundo dia, assisti à aula do chef Jean-Paul Barbier, do restaurante Tragaluz (Lima, Peru), que ensinou a fazer um risoto de quinoa muito gostoso (depois vou postar aqui no blog).

 

O chef Edmundo Santos, do restaurante Huto (SP) mostrou o preparo de um Tartar de salmão com ovas. Rápido, prático e muito saboroso, todos adoraram a receita.

 

A animada aula do chef paulista Pedro Siqueira, do restaurante Puro (RJ).

 

O chefe de bares do Belmond Cataratas, Nacir Zadona, fez uma degustação de cachaças que foram harmonizadas com doces e salgados. Gostei muito da Yaguara Ouro, que não conhecia e traz um blend de cachaças envelhecidas em carvalho americano, cabreúva e amburana.

 

O chef Benoit Vidal, do Atelier d’Edmond (Val-d’Isère, França) preparou Croustille de lagostins e mostrou que alta gastronomia pode ser descomplicada.

 

O chef Gabriel Matteuzzi, do restaurante Tête à Tête (SP) preparou um prato com vegetais e deu dicas sobre a melhor cocção para cada ingrediente.

 

Essa aula eu não podia perder: como preparar Pad Thai, com o chef do Mee (RJ), Kazuo Harada. Teve até participação de um dos alunos, o paraguaio Joseph, que mora em Foz e impressionou o chef com a sua dedicação.

 

Hora de dar aquela relaxada, depois das sete aulas do segundo dia. E lá fomos nós caminhar pelo parque e apreciar a vista das cataratas.

 

 

Vista do mirante junto ao elevador e o pôr do sol visto a partir de uma das trilhas. Acho que valeu a pena essa caminhada, né?

 

O jantar da segunda noite reuniu outros chefs que prepararam oito pratos. Acima, as Lichias com foie gras do chef Edmundo Santos e o Tartar de carne curada, picles e creme de queijo do chef Pedro Siqueira. Outros pratos da noite: Polvo crocante com panceta defumada, vieiras com molho das bardas, robalo com purê de cará, lagostins com consommé de crustáceos e fondant de milho com sorvete de queijo e mousse de goiabada. Ufa…

 

Os chefs responsáveis pelo segundo jantar comemoram o sucesso da noite.

 

Na manhã seguinte, hora de partir. Mas no caminho do aeroporto paramos na Helisul para um rápido voo sobre as cataratas. A Garganta do Diabo oferece uma visão realmente deslumbrante. Espetáculo.

 

Festival Foz Gastronômico Belmond Hotel das Cataratas – mapinha aqui
Rodovia, 469, Foz do Iguaçu, PR – Telefone: (45) 2102-7000
O jornalista viajou a convite da assessoria do evento.
Fotos: Marcelo Katsuki/Folhapress.