O Mercado: quando a comida vira balada

Checho Gonzáles e Henrique Fogaça, os “chefs barraqueiros”

O Mercado, evento que reuniu chefs vendendo comida de rua em barraquinhas no pátio da Galeria Vermelho na madrugada de sábado para domingo recebeu mais de mil pessoas, segundo matéria na Folha. Eram 13 barraquinhas vendendo cervejas gourmet por 5 reais, taças de vinho por R$ 10 e comidas que variavam de 5 a 20 reais. A procura foi tamanha que não deu para quem quis e muitas pessoas não conseguiram entrar. Posto agora com “ligeiro” atraso, rs, porque o publicador do meu blog só voltou a funcionar hoje!



O povo lotando o pátio da Galeria Vermelho

Os gostosos pães orgânicos do Na Bicicleta

A mexicana Lourdes Hernández, da saudosa Casa dos Cariris

Janaina Rueda caprichou na cenografia para servir o seu Arroz de puta rica

As barracas enfileiradas ocupando as laterais do pátio

Os vinhos selecionados pela Daniela Bravin, vendidos a 10 reais a taça

Os cannoli do Alexandre Leggieri e do Herbert Bierwagen

O cebiche do Checho

A barraca do Checho Gonzáles com ceviches e anticuchos

Vista do pátio com a entrada ao fundo

Carolina Oda levou várias cervejas gourmet com preços amigos. Na foto com o André Mifano

Vijay e Deepali levaram samosas do seu Sabores da Índia

Dagoberto Torres do restaurante Suri preparou ‘arepas’ de frango e de queijo

O buraco quente do chef Carlos Ribeiro que teve auxílio luxuoso de Izabel Dias e Daniel de Bonis 

Os defumados do Flavio Veiga e do Rene Aduan Jr

O chef André Mifano entrevistando o Checho para o seu programa Taste It no canal Glitz

Barraca do Caos, bar da Augusta para onde eu fui assim que consegui me recompor, rs

E se você perdeu, não fique ‘chatiado’! Se prepare que a próxima farofa ambulante será o Chefs na Rua, com os chefs vendendo comida em barracas no Minhocão durante a Virada no dia 6 de maio. E nem pense em chegar na hora da xepa!

Clique aqui e te vejo lá!

Comentários

    1. estava com sudades de seus comentarios
      mais como só os leio, achei que vocês estava
      fora.
      a um tempo atrás voCê fez um comentario
      sobre uma sorveteria no Ipiranga. Na época eu anotei o endereço. Só que o perdi será que você lembra, para fornece-lo novamente.

      grata.
      maria soares

  1. Ola katsuki
    pô aquele restaurante chines da liberdade fechou mesmo ? o kin lin, parece que por problemas de saude…

  2. “… recebeu mais de mil pessoas…”?!?! – espero que esta conta inclua as pessoas que não conseguiram sequer chegar à fila, depois de passar por horas de trânsito infernal depois da meia-noite, com chuva e multidão que não devia nada ao que se vê em estação de metrô às 6 da manhã. Como é possível que não se comente nada sobre a organização “inadequada” deste evento, frente à proporção que ele tomou? Acredito que os responsáveis pela organização deveriam realmente sê-los.

    1. Jayme,
      esse número é apenas dos que conseguiram entrar, não foi computado o número de pessoas que ficaram do lado de fora ou desistiram.
      Abs!

  3. Marcelo,gostomuito das suas materias,a do “Mercado” ficou otima só de olhar da vontade de estar la,mas fiquei frustrada pois nao vi a foto da Barraca (do SAL )estava na espectativa pois sem desmerecer todos os outros Chefs mas admiro muito o trabalho deles e queria ver foto da Barraca .(é que meu filho trabalha la kkkkkk)Sou Fã ne? Mae é mae !kkkkkkkk Parabens pelo seu trabalho ,obrigado.

    1. Ana, eu fotografei todas mas algumas ficaram tremidas, pois não usei flash. A do Sal, quando fotografei, tinha apenas o Fogaça lá. Como dei a foto dele no topo, descartei a da barraca, que ficou ruim. Pena!

      1. Marcelo,tdo bem ,(isso é coisa de mae coruja).Obrigado pela sua delicadesa em me responder.Fica para as proximas vezes.se Deus quiser.Sucesso pra voce ,continuo curtindo seu trabalho.Mais uma vez,obrigado .Um abraçao. Ana Maria

Comments are closed.