As comidas da Virada

E aí, já sabe o que vai comer no Chefs na Rua durante a Virada Cultural? Recebi as fotos dos pratos e de alguns chefs (feitos pela fotógrafa Luna Garcia) e compartilho com vocês. Tem também o mapinha, pra ninguém se perder. Boa diversão!

 

Carol Brandão (Las Chicas) – brownie, arroz doce com doce de leite e coco e quindim

 

Henrique Fogaça (Sal Gastronomia) – sanduíche de copa lombo com vinagrete de maçã

 

Hugo Nascimento, Vitor Sobral e Luis Espadana (Tasca da Esquina) – bolinho de bacalhau e salada de grãos de bico

 

Dagoberto Torres (Suri) – ceviches e arepas

 

Marcio Silva (Oryza) – arroz de carreteiro com pipoca

 

Renato Carioni (Cosí) – hambúrguer de pato com maionese trufada

 

Lourdes Hernández (La Cocinera Atrevida) – tostadas, caldo e costelinhas

 

Rodrigo Oliveira (Mocotó) – baião de dois / dadinhos de tapioca

 

Leandro Freitas e Henry Caceres (Nakombi) – kombinado da virada, temaki, guioza, sunomono

 

Carlos Ribeiro (Na Cozinha) – buraco quente de picadinho de filé no pão francês

 

Janaína Rueda (Dona Onça) – puchero à Love Story

 

Raphael Despirite (Marcel) – cachorro quente à francesa

 

Paula Labaki (Lena Labaki) – sanduíche de pernil e de frango defumado com chutney

 

Benny Novak (210 Diner) – costelinha de porco assada, molho barbecue e milho verde (foto do chef: Folhapress)

 

Danilo Rolim (La Tapa Bar) – montaditos e tapas variadas

 

Daniela França Pinto (Marcelino Pan Y Vino) – polenta cremosa com cogumelo crocante

 

Luiz Emanuel (ex-Allez Allez) – steak tartare e batatas fritas

 

Outros chefs e comidas (sem fotos):

Checho Gonzales (Curador do evento) – choripan de sabores e molhos variados

Heloisa Bacellar (Lá Da Venda) – pão de queijo e bolos da Lá da Venda

Marco Soares (Oliva Restaurant) – espetinho de polpetini de cordeiro

 

Serviço: 

Domingo, 6 de maio, da 0h às 20h.

No Minhocão (Viaduto Pres. Costa e Silva) – acesso pelas ruas Sebastião Pereira (altura do número 90), Ana Cintra (altura do 200) e Helvétia (altura do 800).

Metrô: Santa Cecília ou Marechal Deodoro

Preços: de R$ 5 a R$ 15 – somente dinheiro

Comentários

  1. Gostei dessa parada. “Luxo para todos”. Por gentileza, quero muito a receita do picadinho com filé no pão francês, buraco quente, do chef Carlos Ribeiro. Vai batata?

    Grato,

    Sidnei Campos Pinto

  2. Oi, Marcelo,
    Ontem fui à Virada Cultural. Antes do show dos Titãs fomos ao Minhocão e dentre tantas opções espectaculares, comemos o hamburguer de pato com maionese trufada do Renato Carioni (Cosí), simplesmente maravilhoso…, os dadinhos de tapioca do Rodrigo Oliveira (Mocotó), imperdíveis… e de sobremesa o Trio da Carol Brandão (Las Chicas) – brownie, arroz doce com doce de leite e coco e quindim, dos Deuses…
    Acho que o evento gastronômico Chefs na Rua deveria ser realizado todo mes no minhocão, pois com organização é possível experimentar comidas diferenciadas, bem elaboradas e por um preço acessível a todos.
    Abraço.

    Márcia Kubrusly

    1. Que bom, Márcia! Também torço para que o evento vire regular. Abs!

  3. Acho que o “Chefs na Rua” tem de ser realizado mais infinitas vezes e em diversos locais, porém, NUNCA na tal da “Virada”, que tumultua tudo. Nessa última, houve arrastões, confronto entre punks e skinheads, tiroteio entre policiais (sim, entre policiais), morte por overdose etc. O Centro de São Paulo virou um lixo.

  4. Entrei esperando algum comentário seu, não foi, perdeu. Estava muito bom, o lugar era sujo, eu sei, mas o ceviche do Suri tinha fila zero, o que amenizou a fome para encarar as outras filas e estava divino. O steak tartar também estava muito bom, por dez reais, uma porção boa e uma fila de vinte minutos, o que não e nada em são Paulo. Experimentei também a costela do namorado que estava muto boa, queria ter comido o baião de dois e o cachorro quente, mas não cabia… Quanto à muvuca do arroz com frango do Atala, se o bolo de aniversario de são Paulo já da confusão…..

Comments are closed.